NOTÍCIAS TECNOCOCO

Controle do processo de hibridação


Controle do processo de hibridação

A produção de sementes híbridas será rigorosamente controlada para se ter a legitimidade do processo, e assim, atingir os objetivos e metas propostos. Para tanto, serão adotados os seguintes procedimentos:

1 Enumerar em ordem crescente todas as plantas de anão verde;

2 Controlar a emasculação das inflorescências em fichas específicas de campo e de computador, anotando-se o número da planta, data da emasculação e número de flores femininas/ inflorescência. A data será anotada com prego ou tinta a óleo, também no pecíolo da folha correspondente a inflorescência emasculada;

3 Controlar a aplicação de pólen através de fichas de acompanhamento de campo e de computador, anotando-se o número da planta, as datas de início e final de aplicação de pólen, o número de flores femininas tanto no início quanto no final de aplicação do pólen e o número de flores femininas aptas para o processo de polinização por dia de aplicação do pólen;

4 Controlar o nível de contaminação do processo de hibridação, através marcador fenotípico de coloração do coleto da plântula, no momento da germinação da semente, pela aplicação semestral de pólen colhido do GBrPF de cor marrom, em amostra representativa das plantas de anão verde, já que o pólen que está sendo normalmente aplicado é procedente do GBrPF de cor verde. Se a coloração do coleto das plântulas provenientes desse teste for sempre marrom (já que no coqueiro a cor marrom é geneticamente dominante sobre a cor verde), indica que o processo está bem controlado; caso contrário, se as plântulas dessa amostragem são de coloração verde, o processo de hibridação necessita de ajustes.

5 Controlar a viabilidade do pólen, através análise de germinação por data de coleta.

6 Efetuar trimestralmente a estimativa de produção do sementes/planta,

contando todos os frutos de tamanho igual e maior que o punho da mão fechada, em amostra de 10% das plantas matrizes.

7 Controlar o nível de limpeza das tesouras de poda, pissetas, outras ferramentas e até dos trabalhadores, antes, durante e após as atividades de hibridação.

8 Avaliar semanalmente tanto os emasculadores quanto os aplicadores de pólen, discutindo em reuniões no início da semana, os acertos e os erros cometidos pelos mesmos.

9 Colher as sementes híbridas entre 11 a 12 meses após o processo de polinização, fecundação e fertilização, para fins de comercialização.